segunda-feira, 30 de maio de 2011

Faz tempo,não?!...

Parece que foi ontem: Era o dia 2 de junho de 1962 e eu tinha doze anos e já era ouvinte do rádio desde os sete anos, quando virava as madrugadas ouvindo Miguel Vaccaro Netto na rádio Panamericana de São Paulo...Foi aí que pedi um teste ao meu mano Antonio Célio, que sendo presidente da União Juizforana dos Estudantes Secundários, tinha um programa estudantil na extinta Rádio Industrial de Juiz de Fora e era amigo do diretor, sr. Gudesteu Mendes. Marcado o teste e cheio de medo, lá fui eu, fazê-lo. Não é que passei e no dia seguinte já estava no ar?! O curioso é que a nossa memória é muito falha. Hoje, com 65 anos, até ontem ainda jurava que tinha começado aos 15 anos e , no entanto, conta feita, foi com dezesseis anos. Vale dizer: No próximo dia 2 de junho de 2012 estarei fazendo 50 anos de rádio! E juro pra vocês: ao longo desse tempo passei pelas seguintes rádios: Industrial , Difusora e Sociedade de Juiz de Fora (Também na TV Industrial de JF onde fui editor de jornalismo, apresentador, ator e diretor de teleteatro; em tv também fiz a Tv Excelsior em BH e no Rio: SBT e TV Rio) e em 1969 fiz um estágio tão curto na Itatiaia de BH que pouca gente há de lembrar. Depois, voltei para Juiz de Fora em 1970 onde ganhei o concurso Municipal de Teatro como "Melhor Autor" e, com o dinheiro do prêmio vim pro Rio de Janeiro. Aqui: rádio Continental, ainda na rua Riachuelo; Tv Globo nos anos 70 como "frila" mas fazendo comerciais e participações num programa chamado "O Globo de Ouro" e em 1976 entrei para a rádio Globo (Globo, 98 e Mundial)como noticiarista, depois "Stand By" dos comunicadores. No final de 81 fui para a rádio Manchete, dois anos depois na Bandeirantes, depois de um ano (a rádio não emplacou!), rádio Tupi, por pouco tempo e voltei para a Tamoio sempre com programa próprio. Um ano depois iria para a minha segunda passagem na Tupi, onde fiz o programa de seis às 9 da manhã e, com a saída da Cidinha, fiz 9 ao meio dia por um ano. 92 foi o ano que passei dirigindo a rádio Angra de Angra dos Reis e depois, voltei para a Manchete Am ainda da Bloch e após, rádio Globo, chamado pelo querido amigo e grande radialista, Amaury Santos, para ser o Stand By da casa. Fiquei por uns seis meses até a saída do Amaury e tendo assumido o Libretti , fiquei desconfiado de que seria de difícil a minha efetivação ali.
Foi quando procurei o Marcus di Giacomo, grande radialista gaúcho e querido amigo e então, coordenador da Tupi (hoje ele é diretor), ele fez a ponte com Alfredo Raymundo e seu filho Ricardo e aí, antes que me demitissem, pedi pra sair e estreei fazendo as férias da Cidinha àquela época. Já são catorze anos de Tupi e quase 6 no programa Super Madrugada Tupi. Ainda hoje, apesar da idade,cada vez que entro no ar é como se um garoto fosse. Dá pra ver como amo o rádio!
Direto do looongooo tunel do tempo!!!

3 comentários:

  1. parabéns pelo texto!, amigo Fernando...

    um forte abraço do amigo fabio Beatle do jardim américa- Rio de janeiro

    ResponderExcluir
  2. uma trajetória de conquistas e fazendo história no rádio brasileiro!

    ResponderExcluir
  3. Quem gosta do que faz todo o dia é como se fosse a estréia e quem faz com competência e amor o tempo nunca atrapalhará! Vc é uma pessoa de honestidade e coêrencia e isto é muito importante! Abraços fraternos e aprendo muito com vc amigo.

    ResponderExcluir